Português

50% ne peuvent désigner 100% – Pour un seuil de représentativité!

Posté par le 09/12/2015 dans A la Une, Actus, Português, Vidéos | 2 commentaires

50% ne peuvent désigner 100% – Pour un seuil de représentativité!

Que les sondeurs occultent systématiquement les abstentionnistes dans leurs publications, c'est grave mais il faut bien dire que c'est leur fond de commerce.
Que le FN considère la grande masse du peuple qui ne vote pas (et donc pas pour lui) comme le néant lui-même, c'est grave mais conforme leur idée fausse et tronquée de la Nation. Pour eux nous sommes une nation ethnique composée de moutons et de bergers. Pas une Nation civique.
Que les partis dominants ne réfléchissent qu'au sein du petit mundillo des électeurs qui votent encore pour eux, c'est conforme à leur intérêts bureaucratiques.
Mais nous? Allons nous perdre complètement le sens de ce que veut dire majorité? La majorité du peuple a été expulsée de la démocratie, lassée de ses moeurs corrompues (au sens large, pas seulement au sens pénal du terme) qui empêchent de faire rêver à un futur meilleur.
Je propose que nous prenions résolument le parti des expulsés de la République. Donnons de la visibilité à cette majorité, revendiquons avant toute chose le droit à exercer effectivement la part de souveraineté qui revient à chacun.
N'acceptons pas dans l'indifférence que la démocratie devienne exangue au point que plus de 80% des français n'ont pas les opinions politiques de ceux qui gouvernent dans les exécutifs.
Ouvrons un débat, au moins. Le seuil de représentativité et la prise en compte du vote blanc, on en parle? Le droit de révoquer les élus pour en finir avec l'impunité programmatique, on en parle? Et pourquoi pas le vote obligatoire? Je ne veux plus entendre parler des accords ou désaccords entre les directions des divers partis de gauche. C'est une vision trop rétrécie des choses, et nous confine à être des minoritaires qui gèrent des morceaux d'une minorité.
Moi je suis du côté de la majorité.

 


"Pour un seuil de représentativité" Raquel… par lepartidegauche

Invitée de Sonia Mabrouk à l'émission On Va Plus Loin sur Public Sénat le 8 décembre 2015

 

ITW de Raquel Garrido à Caros Amigos (Brésil)

Posté par le 01/06/2012 dans A la Une, Actus, Médias, Português | 0 commentaires

ITW de Raquel Garrido à Caros Amigos (Brésil)

Raquel Garrido diz que esquerda francesa se inspira na resistência latina   

À Caros Amigos, candidata a deputada fala de projetos para o país e a Europa

Por Caio Zinet
Caros Amigos

RaquelGarrido-iFrançois Hollande venceu as eleições presidenciais francesas, mas a grande surpresa foi o desempenho da Frente de Esquerda, que liderada pelo candidato socialista Jean-Luc Mélenchon, obteve 11,11% dos votos com propostas claras de enfrentamento ao sistema financeiro, e de fundação da 6ª república francesa com a convocação de uma assembleia nacional constituinte que inverta as prioridades do estado francês.

O próximo desafio da frente, que reúne vários partidos e movimentos descontentes com o Partido Socialista, são as eleições para a Assembleia Nacional Francesa. Nessa entrevista, Raquel Garrido, candidata a uma das 11 vagas para deputado eleitos por residentes do México à Patagônia, apresenta as propostas da frente da esquerda para a crise francesa e europeia, e diz que a frente se inspira muito nos processos de resistência da América Latina.

Ela critica as medidas de austeridade que, para ela, não solucionam a crise. “A austeridade não permite sair da crise, como se sabe muito aqui na região (América Latina). Ela só agrava a crise, a nossa ideia é o contrário e promover o crescimento da atividade econômica com investimento público massivo em serviços públicos”, afirmou.

Para ela, o recém-eleito presidente francês não será capaz de responder a crise, e diz que a frente está preparada para encarar a crise, e assumir o poder na França. “Temos um projeto muito radical, mas é uma radicalidade muito concreta. É isso que estamos tentando construir”.

Caros Amigos – Quando e porque nasce a Frente de Esquerda?

Raquel Garrido – O nascimento da Frente de Esquerda ocorreu em momento histórico na Europa onde parte da social democracia europeia se dá conta que seu papel histórico fracassou. Todos sabem que fracassou o comunismo de Estado que a partir da queda do muro de Berlim em 1989, que a social democracia teve essa oportunidade histórica de fazer o socialismo democrático, mas eles fracassam sobre um tema central que é a questão da integração europeia, porque a social democracia não conseguiu incluir nas regras fundamentais nos tratados europeus de natureza social e ecológica.

Esses tratados só têm regras de estabelecimento de um mercado, então são regras de livre circulação do capital, de proibição de subvenção aos serviços públicos em nome do livre mercado, e esse tipo de regra se tornaram de máxima importância na ordem jurídica na Europa, porque na hierarquia das leis esses tratados têm primazia.

Com os anos essas regras começaram a destruir direitos sociais do modelo social europeu e a social democracia nunca mudou sua estratégia frente a isso. Nós em 2008, inspirados pela nova onde de esquerda na América do Sul, decidimos sair do Partido Socialista (OS) e criar um partido com várias culturas políticas. Um partido funcional para a unidade do que chamamos de outra esquerda, porque na França já existia uma esquerda, a esquerda do PS, mas se encontrava totalmente fragmentada.

Então nós decidimos propor a toda essa esquerda uma união para criar um instrumento político com a estratégia assumida de passar à frente do PS como primeira força da esquerda para derrotar a direita na França, e assim se deu.

Convencemos o Partido Comunista (PC) de se juntar conosco na criação da Frente de Esquerda, em nossa primeira experiência eleitoral em junho de 2009 nas eleições para o Parlamento Europeu onde tivemos 6%, e elegemos 5 deputados europeus.

Isso foi uma surpresa para todos os especialistas que não acreditavam que era possível a unidade. Era a unidade que todos falavam que era impossível e desde então temos apresentado a Frente de Esquerda que atua de forma autônoma.

Até que conseguimos o mais difícil que foi a candidatura única para as eleições presidenciais. Isso foi uma tarefa difícil porque é só um candidato, é mais fácil fazer uma lista com outros partidos quando são vários candidatos para disputar as eleições congressuais, agora um candidato só é difícil, mas a dinâmica das eleições de 2009 convenceu a todos os militantes que a Frente de Esquerda era um instrumento necessário e agradável para militar.

Então o PC decidiu não lançar candidato e apoiou a Jean Luc-Melanchon e agora conseguimos 11% nas eleições, e 4 milhões de votos o que foi um resultado espetacular, mas nossa ideia não é ficar parado, tranquilos e gestionários desse resultado eleitoral. Estamos com uma estratégia de conquistar mais votos para ter a liderança da esquerda francesa.

CA – Quais as principais propostas para enfrentar a crise na França?

RG – A primeira coisa é derrotar as políticas de austeridade, porque a austeridade não permite sair da crise, como se sabe muito aqui na região (América Latina). Ela só agrava a crise, a nossa ideia é o contrário e promover o crescimento da atividade econômica com investimento público massivo em serviços públicos, e o que nós chamamos de planificação ecológica que é um processo de transformação da produção que se organiza conforme com critérios ecológicos, e segundo, técnicas que não destroem o meio ambiente e que precisamos desenvolver.

A Europa está diante de um grande desafio que é pagar a dívida ecológica e isso pode ser um motor da economia, porque isso implica muito trabalho de engenheiros para encontrar novas soluções ao problema central da humanidade hoje que é salvaguardar o seu próprio meio-ambiente.

Entendemos que a França tem todas as ferramentas para responder a essa necessidade, pois a França é um país com muitas riquezas, mas é um país muito desigual hoje, porque a direta organizou uma reforma tributária, uma redistribuição da riqueza ao contrário, dos pobres aos ricos e empobreceu sistematicamente o país.

Nos últimos 20 anos na França, 10% do PIB passaram do trabalho ao capital; é preciso recuperar esse recurso através da promoção de uma reforma tributária.

Outro ponto é aumentar o salário mínimo ao nível de 1.700 euros brutos mensais, hoje é de 1.200 brutos. Para efeito de comparação, o nível de pobreza na França é de 850 euros mensais. Hoje, quase 50% dos assalariados franceses ganha menos de 1.200 euros, então a situação está difícil, mas isso é política da direita, porque não é que a França é um país do fundo da África, temos muita riqueza. É necessário uma política para redistribuir a riqueza, essa é a primeira proposta da Frente de Esquerda para sair da crise, porque a direta tem tentado convencer que para pagar a dívida é preciso baixar salários, demitir e cortar serviços públicos.

Isso na realidade é um pretexto deles para aplicar políticas que mantém um espaço para o lucro, para o financeiro, porque além da redistribuição é urgente estrangular na França as possibilidades de ataques especulativos. Nesse sentido, o que nós propomos é que o sistema financeiro volte à sua função original que é garantir o financiamento estável dos recursos. Isso é a função original do sistema financeiro, não deveria ser de lucrar nos mercados especulativos e de fazer desses mercados especulativos um lugar de lucro em si. Então a ideia nossa é proibir tudo que não seja essa função de garantir o financiamento das atividades de intercâmbio. As duas coisas vão juntas, por um lado limitar a hiperacumulação de riqueza, porque a hiperacumulação é perigosa para todos porque cria especulação e essa especulação leva à crise.

Então é preciso garantir que ninguém ganhe mais do que 360 mil euros anuais, garantir que ninguém em uma empresa ganhe 20 vezes do que outro trabalhador da mesma empresa. Tudo isso é uma forma de lutar contra a crise financeira.

Outro elemento importante para sair da crise, e provavelmente o mais urgente, é obrigar o Banco Central Europeu (BCE) a emprestar diretamente aos estados, em particular à Grécia. Hoje o BCE empresta a um juros de 1% aos bancos privados e eles emprestam a 5%, 10%, 16%, 18% aos estados usando as agências de classificação como ferramenta para fazer subir esses juros. Isso é um escândalo total, porque o Banco Central empresta os bancos privados quantidades astronômicas de dinheiro e esses setores não reinvestem esses recursos na economia, eles não emprestam, guardam em forma de reserva ou emprestam aos estados a juros insuportáveis.

Então nós queremos obrigar os bancos a emprestar diretamente a um juro de 1%, ou funcionar como já foi feito na França que é o que foi chamado 'empréstimo forçado', ou seja, quem quer operar como banco tem que emprestar cobrando juros determinados pelo Estado, isso já funcionou durante o governo do Mitterrand. Essa é uma ferramenta que existe e que podemos utilizar.

A ideia nossa é apresentar propostas muito operacionais para enfrentar a crise, nosso plano é muito coerente, nós podemos tomar o poder amanhã de manhã que saberemos o que fazer. Então temos um projeto muito radical, mas é uma radicalidade muito concreta. É isso que estamos tentando construir.

O tempo e a realidade nos favorecem, porque François Hollande fica no marco programático da disciplina orçamental, então ele não irá conseguir dar conta da demanda social que foi a grande responsável pela derrota da direita. Ele não irá responder a isso seguindo uma política de disciplina orçamental. Então nós somos a alternativa a esquerda.

CA – Porque apoiar o Hollande no 2º turno das eleições?

RG – Para nosso projeto político de enfrentar a crise e tomar o poder o ponto número um era derrotar a Nicolas Sarkozy. Se a consequência RaquelGarrido-comicio-ido surgimento da Frente de Esquerda tivesse sido a manutenção da direita no poder o nosso projeto morreu. Então nós sempre fomos muito claros, nunca apoiamos o programa de Hollande, nunca sequer negociamos com ele, nada. Nós dizemos imediatamente que a Frente de Esquerda tinha que ser instrumental em derrotar Sarkozy, e assim foi. Os nossos votos foram fundamentais e decisivos para a derrota da direita porque sem nossos votos Hollande teria 40% no segundo turno, mas agora que derrotamos a Sarkozy começamos a política de verdade. Manteremos um perfil de autonomia, com uma presença na Assembleia Nacional, mas também na rua porque nossa campanha foi uma campanha de mobilização popular muito grande, e politizada.

Por exemplo, convocamos as pessoas a uma retomada da Bastinha no dia 18 de março e o tema era a fundação da 6ª República, a fundação de uma constituinte para a 6ª República, e essa ideia que parece um pouco conceitual quando falamos em uma mudança de repúblicas, mas 120 mil pessoas foram nessa atividade de retomada da Bastilha, e todos os atos de Melanchon foram massivos, em Marselha, Toulouse. Foi uma campanha muito mobilizada com a ideia de a luta que está à frente para romper com o pacto de austeridade e romper com os mercados financeiros precisam de um povo mobilizado.

Não queremos o poder para nós, queremos devolver o poder ao povo pela assembleia constituinte mais, além disso, nós falávamos que era preciso manter a mobilização porque é necessário para a realização de mudanças, como mostra a história, por exemplo na Argentina no enfrentamento com o FMI foi feito com o povo na rua. Não se pode fazer reuniões tranquilas entre governos.

CA – É possível pensar em saída da crise sem mobilização popular?

RG – A verdadeira luta hoje é entre a ultra direita autoritária e nós, porque a social democracia não vai conseguir apresentar uma saída para a crise. Fracassou terrivelmente na Grécia, na Espanha, em Portugal, na Irlanda, e boa notícia é inspirados nos processos que ocorreram na América do Sul estão surgindo novos instrumentos, como a Frente de Esquerda, como o Syriza na Grécia. Nos países onde não surgiu essa esquerda quem tem força, quem tem dinâmica é a extrema direita. Esse é o panorama na verdade.

CA – Qual avaliação da frente de esquerda faz dos governos da América Latina, como Chavés, Evo Morales, Cristina Kirchner?

RG – É uma inspiração muito grande porque foi daquela janela daqui que nós vimos que o projeto da social democracia europeia estava fracassando. Era difícil ver isso de pertinho. Os partidos sociais democratas europeus apoiaram os inimigos dos processos a esquerda na América Latina, como Dela Rua na Argentina, Fernando Henrique no Brasil.

Nos inspiramos em coisas muito concretas, como por exemplo, formas de organização como a frente amplo de coalizão. No final, acho que é o mais importante foi por um lado a luta contra o FMI na Argentina que é incrivelmente comparável com a situação atual da Europa e a resposta foram as assembleias constituintes, que é um invenção da revolução francesa.

Então foi impactante que esses processos se utilizaram desses métodos e deram um giro de prioridade política.

O Evo é um sindicalista, mas na minha opinião é que a força dos movimentos sociais na Bolívia veio justamente de entender que no marco institucional do antigo regime eles não iam conseguir uma transformação. Então eles adotaram como prioridade mudar as instituições, e então essa reivindicação cívica como primeira reivindicação deu uma força incrível e permitiu mobilizações de setores que entraram na vida cívica e política.

Esse novo aporte de sangue na luta política permitiu que a esquerda se enfrentasse de maneira séria com a direta, porque nós tem um problema que na França é muito forte que á a abstenção da classe operária, a direita está tranquila com isso porque ela já tem o poder econômico, não precisa mudar o sistema, mas nós que precisamos mudar o sistema não podemos fazer isso ficando em frente de casa olhando para a televisão.

Então essa é principal linha que vêm desses processos é entender que a Assembleia Constituinte é um método para criar à nova correlação de força que permitirá transformações. Estamos muito inspirados na América do Sul.

CA – Qual a importância das eleições na Grécia para o futuro da União Europeia?

RG – A Grécia está enfrentando um ataque especulativo, então a verdadeira questão é como enfrentar esse ataque especulativo, e se haverá solidariedade das instituições europeias para lutar contra o ataque. Para não ajudar a Grécia a direta alemã está dizendo que o verdadeiro tema de discussão é se acaso a Grécia tem ou não que ficar na Zona do Euro, mas não foi o euro que causou o problema de ataque especulativo é o ataque especulativo. Então se os gregos saem do euro o ataque especulativo se mantém, e pode até piorar, porque a moeda grega não tem como resistir a um ataque especulativo.

Então, os companheiros do Syriza falam assim eles não vão aceitar essa forma de fazer exigências que colocam pressão sobre os gregos. O discurso alemão é o de que só os defensores da austeridade é quem defendem o euro, mas não é assim. A esquerda mais próxima de nós acredita que o euro é importante, o euro é nosso, mas é preciso construir outro euro, um euro que não seja determinado por uma política monetarista, que sua função não deve ser só a luta contra inflação, que deve também ter outros critérios.

Então é possível que o euro acabe morrendo e é importante compreender que os Estados Unidos estão vivendo uma crise de hegemonia do dólar e não tem o menor interesse que o euro surja como moeda de troca internacional alternativa. Então eles, que falam que ajuda a Europa, têm interesses objetivos em que o euro esteja em crise para que não se torne uma moeda alternativa como moeda de troca internacional.

CA – O que esperar do governo de Hollande, em especial na relação com o governo alemão?

RG – Hollande tem como marco programático a disciplina orçamental , desse ponto de vista ele concorda com a direta alemã, mas ele fala que é necessário salvaguardar o crescimento. Então para é possível ter as duas coisas ao mesmo tempo, crescimento e a disciplina orçamental. Nós pensamos que isso é impossível, uma ilusão.

No melhor cenário nós pensamos que ele realmente tentar impor uma renegociação à Merkel (chanceler alemã) para conseguir um pouco de política a favor do crescimento, mas Angela Merkel já falou que ela não quer renegociar. As primeiras palavras dela no dia seguinte à eleição de Hollande foi que ela não queria renegociar, então acho que o método tranquilo, suave de Hollande para conseguir essa renegociação tem poucas chances de se concretizar.

Ele poderia fazer outra coisa, ele poderia fazer um referendo na França, se as pessoas votam pela renegociação, então tem que haver mecanicamente uma renegociação. Esse sim seria um método eficaz de conseguir uma renegociação com os alemães.
Isso até agora não é opção de Hollande, mas a existência da frente de esquerda autônoma, e exigente e preparada também é um elemento do contexto.

CA – O governo do Hollande pode entrar em crise como o Papandreau na Grécia?

RG – Um elemento importante na conjuntura francesa é que existe uma outra opção à esquerda, o que é uma coisa muito positiva, porque por exemplo na Espanha tinha uma população muito mobilizada como o movimento dos indignados, mas que do ponto de vista eleitoral não resultou na ascenção de uma força política contrária a austeridade, pelo contrário, houve um aumento da austeridade com a vitória do governo da direita (Mariano Rajoy), mas na França o que nós conseguimos foi dizer de forma muito clara que nós estamos preparadíssimos para fazer outra política no minuto em Hollande não souber mais o que fazer.

CA – Como se relacionar com os indignados?

RG – Na França o movimento não surgiu dessa forma porque a frente de esquerda conseguiu encontrar uma forma politizada de dizer a mesma coisa que é o seguinte: essas políticas de austeridade tem que ser aceitar por um povo, isso é uma questão democrática básica, e nós que passamos a reinvidicar uma assembleia constituinte para fundar 6ª república temos muita proximidade com o que surge através do movimento dos indignados conseguimos politiza-las e então conseguimos é que esse movimento de exigência cívica tomasse um conteúdo social e ecológico, e aquilo que foi impossível na Espanha, porque os movimento dos indignados não se apresenta como alternativa de governo. Na França a população está mobilizada em torno de uma pauta política operacional para governar.

Mas nossas relações com o movimento são boas nós ajudamos, avaliamos como algo positivo que os povos se mobilizem.

CA – Quais propostas a Frente de Esquerda apresenta para solucionar a crise a Zona do Euro?

RG – Primeiro coisa é que a crise atual não é crise do euro, essa explicação é aquela que artificialmente é usada pela direita alemã para proteger os bancos, e o setor financeiro. Então é importante dizer que temos as condições para enfrentar o mercado.

Sobre o euro, o importante é que ele equipare, em termos de valor, a economia real. O problema real do euro hoje é que ele está sobrevalorizado, pois ele está em um nível que corresponde a economia alemã, não corresponder a realidade econômica dos outros países do euro. Então todos os outros países estão financiando a Alemanha. Então é preciso desvalorizar o euro, e segundo ter uma política de condução do euro que seja mais democrática e assentada sobre objetivos de desenvolvimento e proteção de um interesse geral, social, ecológico, de criação de emprego.

É preciso também recuperar o Banco Central Europeu precisa ter uma política democrática, que hoje não existe.

CA – Você falou um pouco sobre a proposta de assembleia constituinte, gostaria que você explicasse um pouco melhor as propostas de fundação da 6ª república.

RG – A constituição na França é antidemocrática por uma razão principal que é a seguinte, o presidente francês é irresponsável politicamente ante ao parlamento, e mais ainda ante ao povo. Por exemplo, quando Sarkozy foi eleito em 2007 no seu programa ele prometeu não aumentar a idade de aposentadoria, então esse foi seu programa para qual foi eleito para um mandato, mas em 2010 ele aumenta a idade da aposentadoria de 60 para 62 anos. Isso foi uma traição de seu mandato original, o que causou ebulição política e mobilizações por todo o país, onde 3 milhões de pessoas entraram em greve. Por essa razão que ele não é responsável ante o parlamento ele não alterou nada no seu projeto, nem um milímetro, nada, e aguardou o fim das mobilizações. Depois de 1, 2,3 meses quando não se vê nenhuma possibilidade de negociação, o movimento morreu.

É a constituição da quinta república que permite isso, porque normalmente nessa situação os deputados, inclusive da direita, diziam assim que a base estava mobilizada que precisava haver discussões com o movimento, mas o presidente não cedeu então essa situação é insuportável em uma democracia. Então é muito importante conseguir seguir militando rumo a 6ª república parlamentar e para essa ideia de que a representação política hoje está muito longe de ser democrática. É preciso que afirmara necessidade da soberania popular.

CA – Qual a importância de partidos amplos como a Frente de Esquerda na França?

RG – É muito importante isso, é muito importante que o que chamamos de outra esquerda devem entender que a social democracia europeia está morrendo. Se nós não criarmos essa alternativa de esquerda, isso significa o desaparecimento de toda a esquerda como aconteceu na Itália onde o processo de ida da social democracia ao centro, sem que surgisse uma alternativa de esquerda resultou em um desparecimento total da esquerda na Itália, onde não existe um deputado na câmara que se caracteriza como comunista.

Então é preciso que haja o surgimento de partidos de esquerda que estejam dispostos a governar, que seja radical em suas medidas, porque o tempo é radical, porque a luta que teremos e estamos enfrentando obriga que a luta seja radical, mas não é radical porque as coisas devem ser ideologicamente radicais, não é assim.

Estamos debaixo de um grande ataque especulativo, e precisamos nos defender diante desse contexto, mas o que é importante é determinar o programa que tenha radicalidade concreta em lugar de discussões ideológicas sem fim, o que é um mau hábito da esquerda, que sempre começa pelas dificuldades.

A técnica nossa foi começar pelas coisas mais fáceis, por exemplo, na redação do programa comum a técnica foi assim pegamos tudo o que nós concordamos, se não concordamos deixamos para mais tarde. Não começamos a discussão por onde não temos acordo.

http://carosamigos.terra.com.br/index2/index.php/noticias/2954-raquel-garrido-diz-que-esquerda-francesa-se-inspira-na-resistencia-latina

 

Estado de São Paulo : ITW de Raquel Garrido

Posté par le 22/05/2012 dans A la Une, Actus, Médias, Português | 0 commentaires

Estado de São Paulo : ITW de Raquel Garrido

'Deveríamos reforçar relações com países emergentes', disse candidata à Assembleia Nacional Francesa

Raquel Garrido postula uma das 11 vagas de deputados eleitos por franceses residentes no exterior

21 de maio de 2012 | 21h 21 Notícia

Bruna Ribeiro, do estadão.com.br SÃO PAULO –

A vida política de Raquel Garrido, candidata à Assembleia Nacional Francesa pela Frente de Esquerda, pode ser definida como um reflexo de suas próprias origens. Nascida no Chile, a também francesa disse que sempre trabalhou para reforçar as relações entre França e América do Sul.

"Antes de ser advogada, eu trabalhava em relações internacionais sindicais e criei, por exemplo, as relações entre o meu sindicato e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Central de Trabalhadores da Argentina (CTA)", disse a candidata. "Para mim é natural ser representante dos franceses que estão aqui, pois a maior parte deles tem família e nós defendemos a riqueza da dupla nacionalidade", completou.

União Europeia está vivendo uma situação que eu comparo à da Argentina em 2001', disse.

Ela postula uma das 11 vagas de deputados eleitos por franceses residentes no exterior, na região que se estende do México até a Patagônia, compreendendo 33 países. Raquel, que já passou pelo Rio de Janeiro e ainda vai para Buenos Aires, Montevidéu e Santiago, falou ao estadão.com.br sobre a ascensão do socialista François Hollande à presidência, a crise do euro, as relações entre Brasil e França e as medidas que poderiam beneficiar os franceses residentes aqui.

Leia trechos da entrevista: estadão.com.br:

O que significou a vitória do presidente socialista François Hollande nas eleições francesas deste ano?

Raquel Garrido: Representa finalmente a possibilidade de fechar o terrível parênteses que foi a direita na França. A direita ficou no poder muito tempo, porque a esquerda sempre foi mobilizada, especialmente o movimento sindical, contra os governo de Chirac e Sarkozy, mas nunca conseguia vencer. Por fim, conseguimos isso. O que é importante agora é enfrentar a crise e o ataque especulativo do qual a Europa é vítima.

estadão.com.br: A crise na Europa mudou alguns cenários, como a eleição de um candidato socialista na França, a renúncia do ex-primeiro-ministro holandês Mark Rutte e a crise na Grécia. Como a senhora avalia a influência da crise econômica na política europeia?

Raquel Garrido: A União Europeia está vivendo uma situação que eu comparo com a situação da Argentina em 2001. O governo de centro-esquerda da Grécia não enfrentou os mercados, não mobilizou o povo contra os mercados e não renegociou a dívida. Então a Grécia ficou em uma situação terrível. Agora que este governo caiu, está emergindo uma esquerda que tem vontade de enfrentar os mercados, em particular o partido Syriza, do líder Alexis Tsipras. Então a Europa vai ter de sair da crise enfrentando os mercados e recusando as políticas de austeridade. As políticas de austeridade vão ter o mesmo efeito na Europa que tiveram na Argentina, que é deprimir a economia e impossibilitar qualquer intervenção pública, inclusive o pagamento da dívida, pois não se pode pagar a dívida, se o povo está pobre.

estadão.com.br: Na opinião da senhora, quais serão as principais mudanças da esquerda em relação ao governo de Nicolas Sarkozy internamente e também no âmbito na União Europeia, principalmente em um momento de crise?

Raquel Garrido: A principal mudança será a redistribuição da riqueza. Sarkozy redistribuiu a riqueza aos ricos. Agora, com uma política tributária, é importante recuperar este dinheiro para poder investir nos serviços públicos, mas essa política de redistribuição é complicada mesmo quando se mantém a política de disciplina orçamental. Hollande tem um problema, pois ele tem de responder a uma demanda forte dos franceses de mudar drasticamente as políticas de Sarkozy. É importante também o que vai acontecer com as eleições legislativas, se a Frente de Esquerda terá uma parcela importante na Assembleia Nacional e também o que vai acontecer em outros países europeus, como na Grécia e na Irlanda, com o surgimento dessa nova esquerda. Em dez dias, Irlanda irá votar em um referendo sobre a austeridade. Hollande falou durante toda campanha que ele queria renegociar este pacto, mas Angela Merkel, já no dia seguinte ao dia da eleição, disse que não irá renegociar. Então o que Hollande vai fazer? O melhor método é o dos irlandeses. Se o povo votar, então tem de renegociar. Se ficar na discussão governamental, vai ser difícil mudar profundamente este pacto, que é autoritário para impor medidas muito duras. 

estadão.com.br: Na sua opinião, as relações do Brasil com a França vão mudar depois da vitória de Hollande?

Raquel Garrido: Tomara! A verdade é que a social-democracia francesa fica ainda em uma visão geopolítica do mundo muito vinculada aos Estados Unidos. A França integra o comando da Otan e não deve mudar isso. A França participou de todas essas guerras inventadas pelos EUA contra inimigos imaginários, porque eles tem um problema de crise da hegemonia do dólar, que compensam com a hegemonia militar. Até que a França não rompa com isso, vai seguir como um aliado privilegiado dos Estados Unidos e todo o resto do mundo vai ficar em segundo plano. Nós pensávamos que a responsabilidade da França é tomar consciência que esta crise é perigosa. Deveríamos reforçar relações com países emergentes, que tem uma relação de autonomia com os Estados Unidos e têm interesse em um mundo pacífico e multipolar. Isso é o que deveria ser, mas não vou mentir, Hollande pode ter boas relações com os governos daqui, mas não é o principal objetivo dele. estadão.com.br: Alguns sociólogos dizem que, com a crise, haverá maiores movimentos populacionais nesta década. Na opinião da senhora, com isso, a atribuição dos parlamentares eleitos pelos colégios eleitorais que vivem no exterior muda? Raquel Garrido: Sim, me parece razoável pensar assim. É possível que Europa reviva momentos de sua história onde a gente fugiu da miséria para vir para cá. Claro que hoje os franceses do exterior são vistos como expatriados e ricos, mas não é assim. Há muitas pessoas que estão vindo com dificuldades na vida cotidiana, de acesso a direitos sociais, saúde e educação. Então, como deputada dos franceses daqui, acredito que é importante ter uma compreensão disso. Hoje um dos pontos muito importantes é essa mudança de geopolítica. Além disso, Sarkozy falou muito mal da imigração durante muitos anos e seguiu até o segundo turno, falando que eles os imigrantes são um problema. Isso exportou uma imagem muito ruim da França. Então os franceses daqui querem que a imagem da França se torne positiva e que França faça um esforço para se reabilitar aos olhos de seus parceiros.

estadão.com.br: Com este novo tecido social europeu, na opinião da senhora, quais alterações são viáveis agora?

Raquel Garrido: Os temas principais que preocupam a França também tocam os franceses aqui, como a redistribuição da riqueza. Aqui temos um problema de que os franceses muitas vezes não podem colocar os filhos em um sistema escolar francês, porque é muito caro e não há apoio suficiente. Para ter mais apoio, é preciso que o país dê mais dinheiro e isso é redistribuição. Nos Estados Unidos, há impostos para todos os americanos, do mundo inteiro. Quando eles já pagaram os impostos nos países onde moram, se o imposto aplicável nos EUA for superior a isso, eles devem pagar a diferença. Essa é uma mudança que poderia ser feita na França, permitindo essa redistribuição. Além disso, o serviço público consular cultural está muito pobre. Isso é importante e urgente, porque os franceses precisam deste contato com os serviços consulares e a França também precisa responder quando há demanda dos franceses, porque essa é a construção do mundo multipolar. Temos de colocar dinheiro até que respondam a todas necessidades. 

estadão.com.br: Qual é o interesse da senhora na América Latina?

Raquel Garrido: Para mim aqui é um pouco minha casa, porque eu nasci no Chile. Na vida política, eu sempre trabalhei para reforçar as relações com a América do Sul. Antes de ser advogada, eu trabalhava em relações internacionais sindicais, eu que criei as relações entre o meu sindicato e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Central de Trabalhadores da Argentina (CTA). Sempre fiz um esforço importante para reforçar essas relações. Para mim é muito natural ser a representante daqueles franceses que estão aqui, muitos deles em matrimônios mistos, que geram filhos de dupla nacionalidade. Tudo isso para mim é muito natural e temos uma sinergia muito forte, porque defendemos a riqueza da dupla nacionalidade. Estou muito contente de tentar ser deputada desta região.

estadão.com.br: Apesar da vaga pleiteada pela senhora não representar a África, hoje há um grande problema com ex-colônias africanas da França, que tiveram independência a partir dos anos 70, mas que ainda não resolveram as pendências com a metrópole. Como a senhora vê isso?

Raquel Garrido: Uma parte dos países do norte da África estão muito ligados à França. Há famílias mistas e filhos binacionais. A França está totalmente envolvida com esses países. São irmãos. São muito homogêneos culturalmente. Isso é negado pela direita na França. Eles olham para o norte da Europa e juram que são irmãos dos suecos, dos "ruivos", mas essa não é a verdade. A França é mais próxima do Mediterrâneo e é importante que o representante francês dessa região valorize isso. Além disso, tem todo o sul e o resto da África, que tem dificuldades semelhantes às da América Latina, sobre soberania e recursos naturais. O problema da África, a miséria e pobreza, acontece também pois os recursos naturais estão em más mãos, privadas e corruptas. O modelo latino- americano da recuperação da soberania em recursos naturais, baseado no Direito Internacional e reformas legais, é um modelo importante para a África. Sei que há uma organização internacional que está se formando que se chama América do Sul-África (ASA). O Brasil tem uma relação importante com a África e tudo isso é muito positivo.

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,deveriamos-reforcar-relacoes-com-paises-emergentes-disse-candidata-a-assembleia-nacional-francesa,875990,0.htm

 

O Globo (Brésil) Interview de Raquel Garrido

Posté par le 14/04/2012 dans Médias, Português | 0 commentaires

O Globo (Brésil) Interview de Raquel Garrido

Entre o slogan argentino e o modelo de Lula

 

Candidata de partido radical aposta em insatisfação na busca de votos na América Latina

Fernando Eichenberg

Publicado:
Atualizado:

PARIS – A francesa Raquel Garrido, de 37 anos, é uma militante entusiasta. Dirigente do Partido de Esquerda, integrante da Frente de Esquerda liderada por Jean-Luc Mélenchon, faz campanha por seu candidato no pleito presidencial e também por sua própria candidatura à Assembleia Nacional — ela postula uma das 11 vagas de deputados eleitos por franceses residentes no exterior. Sua circunscrição é a região que se estende do México até a Patagônia, compreendendo 33 países. No fim de maio, deverá estar no Rio e em São Paulo em busca de votos de franceses expatriados.

O renascimento da esquerda na França ela diz testemunhar a cada dia:

— Havia na França algo não dito, que era a desconfiança generalizada e maciça dos cidadãos em relação aos políticos. Lançamos um livro no ano passado, “Qu’ils s’en aillent tous!” (Que todos vão embora!), inspirado no slogan argentino “Que se vayan todos!”. Nossa experiência militante nos levou a fazer esta análise. Mas não era muito difícil de concluir isso, basta ver o alto índice de abstenção eleitoral (acima de 30% para o primeiro turno este ano, segundo as sondagens).

Na sua opinião, o voto francês pelo “não” no referendo sobre o tratado para uma nova Constituição europeia, por exemplo, foi um típico exemplo de “choque cívico e democrático”.

— As instituições mantinham artificialmente sua autoridade. Em 2003, três milhões de pessoas fizeram greve contra a reforma das aposentadorias. Há uma tensão democrática e uma brutalidade do sistema, e uma forte demanda republicana por democracia e por qualidade cidadã. As revoltas da Primavera Árabe entram neste processo, desencadeando o método constituinte, como ocorreu na América Latina.

A práxis da Frente de Esquerda, diz ela, foi a de captar a sensibilidade dessa insatisfação geral e canalizá-la em um movimento de transformação democrática.

— É uma campanha extremamente pedagógica. Como uma locomotiva, estamos levando toda a sociedade francesa para uma consciência mais à esquerda. Fazemos um trabalho cultural de base, é Gramsci (pensador italiano – 1891-1937), a hegemonia cultural precedida da hegemonia política — resume.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva permanece, segundo ela, como uma inspiração para as esquerdas no mundo — há uma foto de Mélenchon abraçado a Lula na estante da sala do candidato da Frente de Esquerda —, mas existem discordâncias em política econômica:

— Isso de superávit não é nosso modelo.

 

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/entre-slogan-argentino-o-modelo-de-lula-4650327#ixzz1v8nUQ1rJ
© 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.